Tag: bencaos

Dinâmica do mês e vigília

Amanhã, às 19 horas teremos na Mocidade a Dinâmica do mês e às 21 horas a vigília da CERV

O sábado, 28 de janeiro, reserva duas programações para edificação e crescimento da nossa igreja:

A dinâmica do livro do mês e a vigília.

A dinâmica inicia-se  às 19 horas, e será sobre o livro de 2 Coríntios, livro do mês de janeiro.

Já a Vigília começará às 21 horas, e será um período de busca da presença de Deus, em oração e adoração.

Ambas programações são para toda a igreja. Se você deseja crescer espiritualmente e ter a sua vida transformada participe dessas atividades.

Mais informações, ligue: (31) 3451-5956 ou envie um e-mail para: contato@restaurandovidascerv.com.br 

Deus desceu até nós, isso é Natal!

O nascimento de Jesus foi o acontecimento mais extraordinário da história. Foi planejado na eternidade e anunciado na história. A própria história da humanidade foi uma preparação para esse dia glorioso. A vinda de Jesus ao mundo foi proclamada a nossos pais no Éden. Os patriarcas falaram desse dia. Os profetas descreveram esse dia. O tabernáculo e o templo de Jerusalém apontavam para esse dia. Os sacrifícios e as festas judaicas eram sombras daquele que nasceria nesse dia. Jesus nasceu na plenitude dos tempos. Deus preparou o mundo para a chegada de seu Filho. Através dos gregos, Deus deu ao mundo uma língua universal. Através dos romanos, Deus deu ao mundo uma lei universal. Através dos judeus, Deus deu ao mundo uma revelação sobrenatural. Quando tudo estava pronto, Deus desceu!

O Natal fala da encarnação do Verbo eterno, pessoal e divino. O Natal anuncia que o criador do universo entrou na história e vestiu pele humana. O Natal fala desse glorioso mistério que a mente mais brilhante não pode alcançar: Deus se fez homem, o Rei dos reis se fez servo. O eterno entrou no tempo. O infinito nasceu de uma virgem. Aquele que nem o céu dos céus pode contê-lo foi enfaixado em panos e deitado numa manjedoura.

Ele veio para nos revelar Deus. Ele é a exata expressão do ser de Deus.

O Natal traz à lume esse mistério dos mistérios. Jesus sendo Deus esvaziou-se e tornou-se homem sem deixar de ser Deus. Mesmo assumindo um corpo humano, nele residiu toda a plenitude da divindade. Ele veio para nos revelar Deus. Ele é a exata expressão do ser de Deus. Nele está todo o resplendor da glória divina. O Verbo habitou entre nós cheio de graça e de verdade. Quem vê a Jesus vê o próprio Deus, pois ele e o Pai são um.

Veio não para brandir a espada da condenação, mas oferecer-nos o presente da salvação.

O Natal é a sublime mensagem de que Deus enviou seu Filho Unigênito e o Filho voluntariamente veio, no poder do Espírito Santo, para dar sua vida em resgate do seu povo. Jesus nasceu não num palácio, cercado de glória e poder, mas numa estrebaria humilde, pois entrou no mundo como o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Veio para estabelecer seu reino de graça em nossos corações e preparar-nos para o seu reino de glória. Veio não para brandir a espada da condenação, mas oferecer-nos o presente da salvação.

Quando Deus desceu até nós, os anjos celebraram no céu e os homens se alegraram na terra. Houve glória a Deus no céu e paz na terra entre os homens. O Natal precisa celebrado, pois é uma boa notícia de grande alegria! O Salvador do mundo, o Messias esperado e o Senhor dos senhores veio até nós, como nosso Redentor. Ele é a porta do céu. Ele é o novo e vivo caminho para Deus. Ele o único Mediador entre Deus e os homens. Só em seu nome há salvação. Por meio dele temos livre a acesso à graça e exultamos na esperança da glória.

Porque Deus nos amou de tal maneira que nos deu seu próprio Filho Unigênito, para que nele pudéssemos ter a vida eterna (Jo 3.16).

É tempo de recristianizarmos o Natal e devolvê-lo a seu verdadeiro dono. É tempo de celebrarmos Cristo e não a nós mesmos. É tempo de nos prostrarmos diante dele para adorá-lo, como o fizeram os magos do Oriente e não fazermos festa para nós mesmos. É tempo de nos alegrarmos com grande e intenso júbilo, porque Deus nos amou de tal maneira que nos deu seu próprio Filho Unigênito, para que nele pudéssemos ter a vida eterna. Eis o conteúdo do Natal! Eis o propósito do Natal! Eis a glória do Natal! Deus desceu até nós para nos tirar do império das trevas e da escravidão do pecado. Deus desceu até nós para nos adotar como seus filhos. Deus desceu até nós para nos dar vida e vida em abundância!

Vida de gratidão

gratidao-ao-senhorA gratidão no contexto da Palavra de Deus consiste no reconhecimento de dádivas recebidas (Sl 103.1-12), ofertadas pela graça de Deus (Tg 1.17), bem como por parte dos homens. Quando exercemos o ato de “dar”, nos aproximamos mais de Deus. Pois Ele é “amor” (1Jo 4.8) e uma das linguagens do amor é “dar”. Isto é, “oferecer algo que o outro precisa e que nós possuímos” (Mt 5.42). A gratidão está do lado de quem recebe a dádiva (Lc 17.17). Ela deve ser espontânea e um fruto imediato de um coração rendido a Deus (1Ts 5.18). A Bíblia nos ensina tanto a dar como a agradecer por tudo o que recebemos (Rt 2.10; 2Sm 9.1; 2Rs 4.13).

A gratidão abre o nosso entendimento para o fato de que temos recebido muito mais bênçãos do que possam ser os nossos problemas ou dificuldades.

Ela é uma arma de vitória que apaga insinuações malignas de rejeição, baixa autoestima e rebeldia. A gratidão anula os pensamentos de depressão. Ela é um exercício de libertação e nos leva a “voar nas asas do Espírito”, concedendo-nos um coração adorador.

  • O Senhor nos convoca a agradecê-Lo por todos os benefícios que nos tem feito e, quando fazemos isto, percebemos que estes são incontáveis e essenciais. Comece a contar as bênçãos em sua vida e você verá que é impossível enumerá-las todas, enquanto os nossos problemas podem ser contados em nossos dedos.
  •  A gratidão nos leva a estar acima das tempestades e das dificuldades da vida. Veja os Salmos de Davi (34 e 18) que foram escritos e entoados em momentos dificílimos de sua carreira. Você tem agradecido ao Senhor pelas respostas de oração? Pelos livramentos nos momentos difíceis?
  • A ingratidão fere o coração de Deus: Jesus sentiu falta dos nove leprosos que foram curados, sendo que somente o samaritano retornara para agradecer pela cura (Lc 17.17-18).
  • A gratidão é mandamento para o nosso próprio bem. O cumprimento da vontade de Deus, em suas leis e ordenanças, nos traz vida e paz, e gera o perfeito louvor: Hb 13.15, Is 12.1, Sl 100.4.

Manifeste a sua gratidão ao Senhor e às pessoas, deixe a glória de Deus brilhar em sua vida!

Texto adaptado da Pra. Ângela Valadão

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén